Endereço

Notícias » Brasil

 

Últimas notícias

  • 16/5 9:53 - Assembléia geral

    Continuar lendo
  • 15/10 10:46 - FELIZ DIA DO PROFESSOR

    Continuar lendo
  • 1/6 9:28 - PROJETO DE LEI

    Continuar lendo
  • 11/10 10:34 - O rombo da educação é o cabide de empregos de 46 bilhões de reais

    Continuar lendo
  • 22/9 9:06 - Desigualdade caiu 5,6% em cinco anos e pobreza diminuiu, mas se manteve concentrada, mostra Ipea.

    Continuar lendo
  • 22/9 8:57 - Carros são o próximo alvo dos hackers, diz criadora de antivírus

    Continuar lendo
  • 22/9 8:47 - Piso nacional dos professores subirá 16,6% em 2012

    Continuar lendo
  • 9/5 10:36 - Dilma diz que vai qualificar 8 milhões de trabalhadores até 2014

    Continuar lendo
  • 13/9 10:28 - Estudo da OIT mostra que o desemprego entre jovens é o maior desde 2002

    Continuar lendo
  • 13/9 10:28 - STJ define doenças que isentam os aposentados de IR

    Continuar lendo

Desigualdade caiu 5,6% em cinco anos e pobreza diminuiu, mas se manteve concentrada, mostra Ipea.

Quinta-feira, 22 de Setembro de 2011 às 9:06

A parcela da população brasileira com renda menor do que um salário mínimo diminuiu de 71% para 58% entre 2004 e 2009, mas a distribuição da pobreza não mudou no período e continua concentrada nos municípios das regiões Norte e Nordeste. A desigualdade social, medida pelo índice de Gini, caiu 5,6% nos cinco anos analisados, passando de 0,565 para 0,538. Na metodologia do Índice de Gini, quanto mais perto de zero, porque o resultado, porque a desigualdade está menor.

As informações são do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que divulgou nesta quinta-feira o estudo "Mudanças recentes na pobreza brasileira". Em 2009, havia 107 milhões de brasileiros vivendo com menos do que R$ 465 per capita mensais.

Na avaliação do professor da Faculdade de Serviço Social da Universidade de Brasília Vicente Faleiros, deve-se investir em políticas públicas universais, como educação, saúde, além de serviços básicos (saneamento, transporte).

- Precisa de investimento no território de exclusão e uma gestão extremamente competente - completou.

A conclusão do instituto é que "a ênfase nos municípios pequenos do Nordeste pode conferir maior efetividade à política de combate à pobreza". Faleiros destaca que "os programas sociais reduzem a pobreza, mas não reduzem a desigualdade". O professor disse que é "pelos salários que você vê a distribuição de renda e não pela transferência de renda".

Os dados divulgados revelam que 51% dos considerados extremamente pobres estavam inativos ou desocupados em 2009. Já entre os pobres o índice era de 40%. O Ipea concluiu que, apesar dos programas do governo, "a ascensão social só é possível para famílias beneficiárias que têm outra fonte de renda".

Fonte: O Globo

© Sinteifel
BRLOGIC